Casa / Mundo / Legislativo brasileiro custa R$ 1,16 milhão por hora

Legislativo brasileiro custa R$ 1,16 milhão por hora

Somando-se salários e benefícios, os 513 deputados custam em média R$ 86 milhões ao mês, o que representa um custo anual de R$ 1 bilhão

Cálculos feitos pela organização não-governamental Contas Abertas mostra que o Legislativo custa R$ 1,16 milhão por hora ao longo dos 365 dias do ano. Esse custo inclui fins de semana, recessos parlamentares e as segundas e sextas-feiras, quando os parlamentares deixam a capital federal para fazer política em suas bases eleitorais.

“As pessoas ficam muito restritas a quanto custa um parlamentar em si, com todas as suas mordomias. Isso custa caro, sim. Mas o Congresso tem uma estrutura muito maior que isso que consome recursos públicos, dificultando ainda mais o equilíbrio no orçamento”, lembrou o presidente da ONG, o economista Gil Castello Branco.

Ainda de acordo com a organização, cada deputado federal recebe um salário bruto de R$ 33,7 mil, um valor superior ao do presidente da República e de seus ministros, que ganham R$ 30,9 mil mensais.

Os parlamentares brasileiros, de acordo com diversos levantamentos de organizações e publicações estrangeiras, são os mais bem pagos da América Latina, seguidos por Chile, Colômbia e México. Além do salário, eles têm direito a outros benefícios, como verba de gabinete, cota de passagens para seus destinos eleitorais e reembolso com despesas de saúde. Somando-se tudo, juntos, os 513 parlamentares custam em média R$ 86 milhões ao mês, o que representa um custo anual de R$ 1 bilhão.

“Não adianta apenas dizermos que o Congresso gasta muito. Se fosse isso, bastaria apagar a luz ou economizar no clipe. O problema é que ele é caro e oferece pouco retorno para a população em termos práticos”, criticou a vice-presidente da Ideia Inteligência, Cila Schulmann.

“Para piorar, não existe um sistema de contrapesos e fiscalização de gastos entre os três poderes, o que deveria acontecer em uma estrutura minimamente equilibrada”, disse o coordenador do laboratório de política e governo da Universidade Estadual Paulista (Unesp), Milton Lahuerta. “Em vez de se fiscalizarem, cada um deles, especialmente o Judiciário, cria mecanismos de autoproteção que impede uma transparência na publicação dos gastos”, completou Lahuerta.

Fonte: Notícias ao Minuto

Sobre Fernando Motta

Fernando Motta
Fernando Motta Sócio Gerente e editor do Portal Fatos Net Apresentador do Programa Pé na Jaca ao vivo no Facebook

Além disso, verifique

Governo busca 56 votos para aprovar reforma da Previdência

São necessários pelo menos 308 deputados a favor das mudanças, em cada uma das duas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *