Casa / Mundo / Veja o que muda com a reforma trabalhista

Veja o que muda com a reforma trabalhista

O texto foi aprovado por 50 votos a 26, com uma abstenção

Depois de mais de dois meses de debates e 864 emendas de senadores apresentadas, o Senado concluiu a votação da reforma trabalhista nesta terça-feira (11). O texto foi aprovado por 50 votos a 26, com uma abstenção.

O PLC 38/2017 foi votado na forma do texto aprovado pela Câmara dos Deputados, pois os relatores Ricardo Ferraço (PSDB-ES) e Romero Jucá (PMDB-RR) não aceitaram qualquer uma das sugestões de mudança defendidas por senadores – não só da oposição, mas também da base governista.

Com a aprovação, o projeto seguirá para sanção presidencial.

Confira abaixo algumas das principais mudanças propostas. 

Acordos

A reforma trabalhista pressupõe que empregadores e empregados entrarão em acordos em relação a pontos, tais como parcelamento de férias, flexibilidade na jornada de trabalho e banco de horas. O acerto pode sobrepor a lei, o que é chamado de “acordo sobre o legislado”. Ou seja, valem mais do que o que a lei prevê. Ao contrário de hoje, quando a lei vale mais do que qualquer acerto coletivo ou individual.

Novos contratos

O trabalho intermitente, quando o empregado fica à disposição da empresa 24h, e o teletrabalho ou “home office“, quando as atividades são realizadas de casa, ganharam destaque no texto que será votado na terça. A reforma propõe que o empregador fique obrigado a convocar o empregado com três dias de antecedência, no mínimo. O tempo não dedicado ao trabalho, no entanto, não será considerado tempo à disposição.

Para o “home office“, o texto propõe que um contrato especifique as atividades realizadas de casa, e como será feita a manutenção das ferramentas de trabalho e o controle da jornada. Hoje, o teletrabalho garante os mesmos direitos do presencial.

Jornadas

O novo texto propõe que o funcionário e o empregador negociem a carga horária, contanto que elas não ultrapassem o limite de 12 horas diárias e 48 horas semanais. A jornada máxima só é permitida se for seguida de 36 horas de descanso. Hoje, o limite máximo é de 8 horas diárias e 44 horas semanais.

O texto prevê mudança também para a jornada de trabalho intermitente, quando são alternados períodos de prestação de serviços e de inatividade. Eles devem ser determinados em horas, dias ou meses, independentemente do tipo de atividade do empregado e do empregador.

A exceção é para a categoria dos aeronautas, que devem seguir a legislação própria. O tempo destinado ao almoço diminui pela metade e passa a ter limite de 30 minutos. O ponto também pode ser discutido pelo empregado e o empregador na contratação.

Fonte: Notícias ao Minuto

Sobre Fernando Motta

Fernando Motta
Fernando Motta Sócio Gerente e editor do Portal Fatos Net Apresentador do Programa Pé na Jaca ao vivo no Facebook

Além disso, verifique

Governo busca 56 votos para aprovar reforma da Previdência

São necessários pelo menos 308 deputados a favor das mudanças, em cada uma das duas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *